A humanidade, o sentido da vida e o bem estar

6

Category : Gratidão

meaningO ser humano na sua essência é sempre o mesmo, agora e desde há muito tempo, apesar da evolução natural dos tempos, apesar das culturas dos povos poderem ser muitissimo diferentes; no essencial, na estrutura mental, no comportamento, somos todos idênticos seja quem for e onde for.

E isso é possivel observar nos dias de hoje, que qualquer um por exemplo nos confins de Africa, Asia ou América do Sul, tem ansiedades, manifesta sentimentos e emoções, exprime dor e sofrimento, alegria e júbilo da mesma forma que outro qualquer na Europa ou na América do Norte.

A mega experiência a nível global feita ao longo de 3 anos por Yann Arthus-Bertrand e reunida no filme Human mostra a humanidade na diversidade, atraves de perguntas respondidas nas palavras genuinas de cada um. Vale a pena mergulhar nesta incrível viagem que nos leva ao mais profundo na manifestação do amor, do sentido da vida, do perdão, da dor, da alegria, do humor, a quase tudo o que um ser humano é capaz de chegar.

Screen Shot 2016-05-11 at 17.14.49Mas o sentido da vida é sobretudo dar à vida um sentido.

O bem estar também passa por aqui.

A vida perpetuada na memória…

2

Category : Informação

12715539_1115131451838681_5998832450289842863_nPara quem tem realmente fé, morrer não é perder a vida, é trocá-la por uma outra, eterna e numa outra dimensão; esta é para alguns, certamente não é para todos, uma possivel forma de encarar a partida deste mundo, o fim da vida terrena.

É sempre um momento delicado, o sentimento de perda que se tem quando nos confrontamos com a morte física de alguém; regra geral lidar com a partida dos que nos são queridos e chegados, família ou amigos, conhecidos ou até pessoas que não conhecemos pessoalmente mas ouvimos falar, como não ficar triste, sentir a dor?! Complicado sem dúvida quando não se sabe bem lidar com a tristeza profunda; por vezes é mesmo o passar do tempo que ajuda a sarar a dor, porque a saudade fica sempre e a memória mantem-se no coração, em fotografias, em estórias que ficaram para contar. Se pensarmos, é curioso como esta é a forma da pessoa que partiu permanecer viva entre nós, de cada vez que é lembrada, de cada vez que se contam estórias, de cada vez que se partilham fotografias e momentos vividos. Assim se perpetua a sua vida no tempo terreno, assim se passa de geração em geração a memória de antepassados, de amigos, de figuras conhecidas, de ídolos.

Quem não gosta de relembrar momentos, estórias divertidas, viagens, tanta coisa que fica para poder partilhar com outros e que, na maioria das vezes, com o tempo vão caindo no esquecimento…

Online já podemos encontrar um site de memoriais, o RIPACE onde é possivel o usuário registar uma pequena biografia de alguém que já partiu, para já apenas memoriais públicos de acesso a todos, de pessoas mais ou menos conhecidas; em breve terá novas funcionalidades como o poder criar memoriais privados que queira para partilhar só em familia, ou com amigos, ou com colegas de trabalho, de escola etc. Ao criar um memorial de uma avó, de um irmão, de um colega etc., poderá partilhar com um grupo restrito de pessoas mais próximas, perpetuando a sua vida em fotografias, inumeras estórias contadas por aqueles com quem conviveu, coisas que com o tempo têm tendência a dispersar ou a perder.

Faz sentido manter viva a memória de quem já partiu seja como homenagem, seja para perpetuar a sua vida. Passe pela pagina no facebook ou faça uma visita ao passado que se prolonga no presente e no futuro em ripace.com

O bem estar também passa por aqui

 

 

 

 

A vida, podemos escrevê-la direito mesmo que por linhas tortas: vale sempre a pena!

Category : Gratidão

mae-segurando-a-mao-do-bebe-15845

A vida, estaremos todos de acordo, é uma enorme benção que cada um recebe sem pedir, uma Graça pela qual só podemos agradecer e, sabendo à partida que por aqui vivemos no mundo terreno num período limitado de tempo, temos mais é de fazer o melhor possível, cada um por si mas também pelos outros.

Sim, claro, nem tudo são rosas mas nem tudo são espinhos também! É mesmo assim, num balanço em que cada um tem uma grande responsabilidade no caminho que vai trilhando, na forma como vai desenhando a sua vida. Há estudos científicos que comprovam como diversos factores, sejam genéticos ou simplesmente exteriores a si,  são determinantes na forma como se desenrola a vida; certo é que cerca de 40‰ do que se passa na sua vida, bastante portanto, é da sua inteira responsabilidade! E como não agradecer a vida que nos é oferecida de bandeja e fazer dela algo de positivo!? Ou mesmo ajudar outros a potenciar a vida deles!? E quantas vezes se escreve torto para sair direito?!

Esta reflexão leva-nos naturalmente também ao polémico tema da interrupção voluntária de gravidez, e longe de querer fazer qualquer julgamento, apenas posso perguntar, como é possível equacionar uma vida já gerada no ventre de uma mulher em pressupostos materiais ou circunstanciais?! Eu sei há casos especiais, casos pontuais, mas generalizar assim? Pelo contrário há que incentivar os nascimentos, ajudar a criar as melhores circunstâncias, acarinhar quem traz dentro de si uma nova vida. A defesa da vida vai muito além do salvar bébés, muitas das vezes trata-se de salvar mães!

Em Washighton, desde há 40 anos quando se legalizou o aborto, que se organiza anualmente a marcha pela vida, tal como aconteceu mais uma vez a semana passada; com a persistência que une quem realmente acredita, desde há quatro décadas a adesão tem vindo a crescer e a diversificar. Aqui se reúnem centenas de milhares de pessoas que sustentam a importância e o valor da vida sob o slogan  Life Counts!  Cardeal Sean O’Malley, secretário-geral do comité pró-vida da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, tem sido uma boa inspiração cuja mensagem vale a pena ouvir aqui

Veja mais sobre a marcha da vida em  March for Life

O bem estar passa inevitavelmente por aqui.

O bem estar na doença: como viver com cancro mantendo o sorriso!

Category : Bem-estar

Nada como os bons testemunhos de vida, daqueles que pelo seu exemplo se tornam inspiradores,  porque fazem o bem, porque tem actos de coragem, porque dão valor à vida, porque ajudam o próximo, porque mostram que mesmo sem saúde a vida tem sentido, porque tudo isso é possivel desde que se queira, desde que se viva por amor, desde que se tenha fé e acredite na vida eterna, ainda que por vezes seja doloroso, implique sofrimento e tudo o que de mau uma doença destas pode implicar…

Assim é Manuel Forjaz, casado, pai de filhos, professor, orador, um homem como tantos outros que chega aos 50 anos e pode dizer, que teve até agora uma vida recheada de aventuras e desventuras, sucessos e fracassos, alegrias e tristezas, realizações e frustrações. Um homem comum afinal. A doença veio, no entanto, desde há 5 anos reequacionar tudo. A partir da angustia e insegurança ao lidar de inicio com a realidade dura de uma doença, à partida incurável, iniciou um novo caminho que acabou por expor a todos os que o quiserem ver, ouvir e ler, não para se evidenciar mas essencialmente para viver este tempo com a intensidade de quem não sabe o quanto lhe resta e sobretudo ajudar outros, tantos outros que conhecem de perto essa realidade e não conseguem lidar tranquilamente com ela… E nos últimos meses são cada vez mais os que o seguem na página do facebook ou em encontros e almoços que promove.  Vale a pena ler a entrevista que deu há uns dias ao Diário de Notícias – Manuel Forjaz em entrevista ao DN

Alega que não tem medo da morte porque acredita na Vida Eterna e que nesta vida nada é impossivel, diz que mesmo perante o pior momento da vida, procura um sorriso e aconselha: faz deste ano o melhor da tua vida…

Obrigada Manuel Forjaz

O bem estar também passa por aqui

Eusébio e a vida para além da morte

Category : Personalidade

Eusébio durante um jogo de futebol na European Cup em 1963

Deixo passar uns dias, em que observei, li, assisti a todo o frenesim desde que foi anunciada a morte de Eusébio no passado Domingo. Finalmente decido escrever sobre o assunto porque também a mim me abalou, me impressionou e faz pensar.
Figura de destaque, indiscutível a imagem forte que representa, transversal na sociedade, universal, simbolo de Portugal no mundo, não houve ninguém que ficasse indiferente à sua partida: todos, os que adoram futebol ou os que não percebem absolutamente nada, os novos e os velhos, os importantes e os ilustres desconhecidos, o mais comum dos mortais, em Portugal, nos países de língua portuguesa, em todo o mundo afinal, noticiam, comentam, choram, prestam a sua homenagem.

Há de vez em quando pessoas assim, simples mas grandes, que tocam, que marcam, que partem mas ficam…Ficam em cada um de nós, na memória, na cultura de um povo, na História.
E afinal com todos é assim, não com esta escala que não é para todos já se vê, mas à escala de cada um.

E estes momentos fortes como o que agora vivemos, fazem-nos pensar. Pensar na vida e na morte.

A vida vai, na verdade, muito além da passagem terrena. Acredito sinceramente na vida para além da morte física: “morrer não é perder a vida é trocá-la por outra melhor”, a pessoa deixa de existir fisicamente, parte para outra dimensão. Mais ainda, na dimensão terrena a sua vida continua no coração dos que ficam, na memória dos que aqui permanecem mais tempo, é uma nova vida.
Todos sabemos que um dia teremos de partir, que fisicamente haverá sempre um limite para a existência, isso é mais que certo. A hora de cada um partir, como e em que circunstâncias, de repente ou atravessando um calvário, sem dor ou em sofrimento, só Deus sabe! (digo eu que acredito na Divina Providencia)

Aqui deixo muito apropósito, as palavras sábias e intemporais de Santo Agostinho.

A morte não é nada.
Apenas passei ao outro mundo.
Eu sou eu. Tu és tu.
O que fomos um para o outro ainda somos.

Dá-me o nome que sempre me deste.
Fala-me como sempre me falaste.
Não mudes o tom a um triste ou solene
Continua rindo com tudo aquilo que nos fazia rir juntos.
Reza, sorri, pensa em mim, reza comigo.
Que o meu nome se pronuncie em casa
como sempre se pronunciou.

Sem nenhuma ênfase, sem rosto de sombra.
A vida continua significando o que sempre significou:
continua sendo o que era.

O cordão da união não se quebrou.
Porque eu estaria fora de teus pensamentos,
apenas porque estou fora de tua vista?

Não estou longe,
Somente estou do outro lado do caminho.
Já verás, tudo está bem.
Redescobrirás o meu coração.
e nele redescobrirás a ternura mais pura

Seca tuas lágrimas e se me amas,
não chores mais

Até já! O bem estar também passa por aqui!

 

 

O que é, na vida, realmente importante?

Category : Informação

Em tempo de Advento nunca é demais relembrar os valores, aquilo que na vida, realmente importa. E muito a propósito a Fundação  Lo que de verdad importa  é uma organização que tem por fim sensibilizar o público em geral, promover o desenvolvimento e a difusão dos valores humanos, éticos e morais universais, através de actividades culturais.

Todo este tipo de iniciativas é louvável porque cria uma dinâmica que sempre provoca a mudança para melhor na vida de muitas pessoas mas também naquelas que estão disponíveis para ajudar, dar a mão, fazer a diferença. Queremos aqui deixar já a curiosidade para um acontecimento maior que vai ter lugar em Portugal em breve, dentro de poucos meses.

O QUE VERDADEIRAMENTE IMPORTA reune um conjunto de pessoas extraordinárias e transformadoras, na verdade um grupo ibérico de voluntárias que já está activo em Espanha e vai iniciar também em Portugal o modelo de congressos da Fundação LQDVI – Lo Que De Verdad Importa – na certeza de que se vão juntar milhares de pessoas de todas as idades e gerações para ouvirem testemunhos incríveis de gente espectacular.

Estes congressos são anuais e de entrada livre. Professores e alunos, pais e filhos, gestores e administradores, equipas de profissionais de todas as áreas de especialidade, fiquem atentos porque Março vai ser um mês muito inspirador!

O bem estar também passa por aqui!