Seja exigente: fazer mais e melhor por si reflete-se positivamente naqueles que o rodeiam

Category : Portugueses Excepcionais

excelencia1

 

 

 

 

 

 

Fazer mais e melhor é uma questão de princípio: o nível de exigência a que cada um se propõe, seja no que for, desde as coisas mais triviais e simples do dia-a-dia até ao mais complexo, a nível pessoal ou a nível profissional, é determinante no resultado que se obtém. É sempre melhor que o grau de exigência seja alto não só porque o efeito será correspondente, como o que exige de si poderá sempre e mais à vontade, exigir de outros.

Num mundo complexo e de grande competição o nível de exigência é, na verdade, cada vez maior… São muitos os jovens que sentem bem de perto que para atingirem objetivos têm de primar pela excelência partindo de níveis de exigência muito altos e se por um lado pode parecer que é uma brutalidade, por outro os resultados serão necessariamente melhores…

Francisco Goiana da Silva é um jovem médico português natural de Santo Tirso que se formou em Lisboa com distinção e trabalha já num hospital da capital. Além de exercer medicina é um artista de grande qualidade que exprime enorme emoção e beleza através de esculturas em pedra. O Francisco pertence à Global Shapers Community um grupo que junta jovens de todo o mundo com grande potencial, que primam pela excelência e cujo objetivo é dar o seu melhor contributo na sua comunidade. Em vários países os shapers hubs são constituídos por grupos de jovens que querem fazer a diferença para melhor no seu próprio país com o seu contributo.

Aos shapers hubs está aberta a possibilidade de participarem no World Economic Forum uma instituição internacional que realiza eventos anuais envolvendo governos e empresas, públicas e privadas, num espírito de cidadania global. Este ano de 2014 para o evento de Janeiro em Davos candidataram-se para estarem presentes cerca de 500 shapers e foram selecionados 50, um dos quais o médico português de 24 anos Francisco Goiana da Silva que participou ativamente numa intervenção sobre os benefícios do SNS português, de qualidade francamente superior ao de muitos países desenvolvidos como por exemplo, espante-se, os EUA!

Faça pela diferença, o bem-estar também passa por aqui.

 

The Planet Earth Institute

Category : Sustentabilidade

Há dias tive conhecimento da existência de uma ONG formidável: The Planet Earth Institute

Com a seguinte Missão:

O Planeta Terra e os seus habitantes enfrentam muitos perigos: desde a perda da bio-doversidade, a rápida urbanização, as mudanças climáticas até aos riscos crescentes de catástrofes naturais. Há no entanto um clara oportunidade de criar um planeta mais sustentável; temos que trabalhar juntos se quisermos ultrapassar os desafios dos nossos tempos.

O The Planet Earth Institute demonstra como é que a ciência e a tecnologia podem ajudar a tornar a sociedade mundial mais segura, mais saudável e mais próspera promovendo soluções engenhosas para os desafios relacionados com o Planeta.”

Esta organização, com um conselho científico composto por membros representantes de cada continente e do Newcastle Institute for Research on Sustainability, tem um alcance global e vários projectos enriquecedores tanto a nível dos sector público como do sector privado. 
Recomendo uma exploração aprofundada do site.
É um exemplo verdadeiramente paradignamizador!

Os sacos de plástico e a paradignamização

6

Category : Opinião

Estive a ler uma revista de informação, destas que saem todas as semanas e deparei-me com um comentário extraordinário.

Há um senhor, que foi júri num programa de grande audiência, que diz “odeio as meninas dos supermercados que não põem as compras nos sacos de plástico”.

É extraordinário, não é?

Quando vou ao supermercado ou às compras faço questão de levar os meus próprios sacos ou de dizer que não quero saco de plástico, ou outro qualquer. É uma das minhas contribuições para o ambiente. Os sacos de plásticos são objectos úteis sem dúvida, mas de outros tempos, de outro século, do antigo paradigma.

No novo paradigma, estamos noutra completamente. As regras mudaram. Temos de voltar ao que é verdadeiramente importante e pensar que temos de contribuir para o ambiente e uma das formas mais simples e mais básicas de o fazer pode começar por deixar de usar sacos de plástico.

Há alguns supermercados que já cobram pelos sacos. Parece-me muito bem. Deveriam cobrar ainda mais para que as pessoas os usassem apenas quando fosse absolutamente indispensável.

O caminho da paradignamização* está lançado e nada o pode parar.

Quero, portanto, agradecer ao senhor que “odeia as meninas dos supermercados que não põem as coisas nos sacos de plástico” por chamar a atenção para uma causa super importante e que é geralmente subestimada.

*A paradignamização é a dinamização do novo paradigma de forma sustentável, onde paradignamizar, paradignamizante, paradignamizável são uma constante.

Tráfego aéreo visto pela NASA

Category : Mundo

O tempo deste clip é de 1min 12seg e representa as 24 horas de um dia inteiro de viagens de avião, internas e intercontinentais. Aproximadamente, cada segundo de filme representa 20 minutos reais. Cada ponto amarelo é um voo com pelo menos 200 passageiros.

E se é da opinião que estes aviões estão a contribuir drasticamente para o aumento da poluição a nível global, então é porque ainda não ouviu falar no paradoxo das vacas

A fruta e os legumes disponíveis no mercado

Category : nutrição

A Organização Mundial da Saúde promove um regime alimentar que contenha um mínimo de 400gr de fruta e legumes por dia, todos os dias. Isto equivale a cerca de 5 peças de fruta e legumes e daí terem a campanha dos 5 por dia (5 a day campaign).

De preferência, a fruta e os legumes devem ser variados, orgânicos, biológicos e, sobretudo, colhidos em pleno estado de maturação.

Nada fácil de conseguir…

Devido ao estilo de vida de hoje em dia e de um aumento crescente e galopante da população, a agricultura teve de procurar e desenvolver soluções que lhe permitissem dar resposta à procura e as redes de distribuição exigeram que essa resposta fosse standardizada e estivesse disponível ao longo de todo o ano.

Esses objectivos foram atingidos, mas o preço a pagar – não na caixa e sim na saúde – é muito alto.

Voltando um pouco atrás, lembro-me perfeitamente de em pequeno ir à praça e ficar fascinado com as cores e os cheiros das frutas, dos legumes, das flores e de a minha avó me dizer que só se deve comprar fruta quando está madura e dentro da época. Mal sabia eu então o que nos esperava…

Hoje, vamos ao supermercado e cada vez menos à praça. O ritmo de vida não o permite. A zona da fruta e dos legumes é fria, semi-aséptica, colorida é certo, mas com cores pouco naturais. Já não há tomate com formas esquisitas, nem peras grandes e sumarentas. O que há é fruta e legumes padronizados, standardizados, higienizados, calibrados, praticamente clonados uns nos outros.

Disseram-me há dias que estão a tentar desenvolver maçãs quadradas ou cúbicas, para caberem melhor nos caixotes… Não me espantou muito pois já se produzem frangos… sem penas!

Será que são mesmo frangos? O artigo da BBC diz que sim. Não incluí fotografias porque da mesma forma que a mim me incomoda muito, não quis ferir susceptibilidades. Quem quiser pode clicar no link e ir ver. Bald chicken, they call it…

Quanto à fruta e legumes, não resisti em incluir algumas imagens, que como poderão ver, mostram claramente que não são produzidas na terra e sim numa lã dita mineral ou num gel dito nutritivo.

Vários estudos demonstram que a fruta e os legumes disponíveis no mercado hoje em dia  perderam qualidade e são menos nutritivos do que no passado. As causas, já as conhecemos perfeitamente, no entanto, nunca é demais relembrá-las:

  • Apanha precoce, sem atingir o estado de maturação completa, o que leva a uma carência de nutrientes
  • Excesso de fertilização ou “turbo-crescimento”
  • Armazenamento refrigerado e em atmosfera controlada por longos períodos
  • Substituição da terra por lã mineral “higiénica” ou gel “nutritivo”
  • Produtos, mesmo quando são biológicos, colhidos ainda verdes
  • Manipulação genética, como por exemplo as cebolas “sem lágrimas”

Enfim, chamam-lhe o progresso e temos que nos ir habituando.

A solução passa por seguir as recomendações da O.M.S e ir tomando uns bons suplementos alimentares naturais.

Pontapé no pessimismo

2

Category : Portugal

Numa altura em que o pessimismo se apoderou de Portugal, Nicolau Santos, Director-Adjunto do jornal Expresso, escreveu uma peça que nos obriga a abrir os olhos e “a mostrarmos ao mundo os nossos sucessos” e não apenas os insucessos. Este artigo é uma leitura obrigatória para voltarmos a sentir orgulho no nosso país e de nós próprios.

Ler o artigo todo…