Bem estar e bem ser português: celebremos e repliquemos a portugalidade hoje e sempre.

1

Category : Portugal

Luís_de_Camões_por_François_Gérard

Esta semana comemoramos Portugal com duas figuras marcantes da nossa história em vertentes diferentes, é certo, mas basilares daquilo que somos já vai para mais de 900 anos: Luis de Camões a 10 de Junho, Santo António a 13 de Junho.

Hoje 10 de Junho, dia de Portugal, de Camões e das comunidades portuguesas comemoramos a figura que melhor simboliza o génio português não só nas letras com todo o seu esplendor na obra classica Os Lusíadas, mas na diáspora tão presente no perfil pátrio. Como bem dizia o Padre António Vieira Nascer pequeno e morrer grande, é chegar a ser homem. Por isso nos deu Deus tão pouca terra para o nascimento, e tantas para a sepultura. Para nascer, pouca terra; para morrer toda a terra. Para nascer, Portugal: para morrer, o mundo (Padre António Vieira, Sermão de Santo António, Sermões, VII, p.64.). Que maior verdade continua a ser hoje e sempre!

Na próxima sexta feira 13 de Junho Santo António, orador eximio, pregador, evangelizador, uma vida curta e tão cheia de dádiva, de amor, de entrega levando a verdade de Cristo a tantos com quem cruzou.

SantoAntonioCINQvNão se trata simplesmente de festejar figuras e feitos do passado, relembrar exemplos e glórias que se perderam no tempo bla bla bla. Não. É muito mais do que isso. É o quanto nos inspiram com orgulho a continuar, a fazer bem feito, a ser exemplo, a exaltar e sobretudo replicar, sem perder tempo na maledicencia, nem naquilo que se faz mal feito.

Os bons exemplos seja no que for, serão sempre os que nos inspiram. Os bons exemplos portugueses mais ainda.

O bem estar passa mesmo por aqui.

Seja exigente: fazer mais e melhor por si reflete-se positivamente naqueles que o rodeiam

Category : Portugueses Excepcionais

excelencia1

 

 

 

 

 

 

Fazer mais e melhor é uma questão de princípio: o nível de exigência a que cada um se propõe, seja no que for, desde as coisas mais triviais e simples do dia-a-dia até ao mais complexo, a nível pessoal ou a nível profissional, é determinante no resultado que se obtém. É sempre melhor que o grau de exigência seja alto não só porque o efeito será correspondente, como o que exige de si poderá sempre e mais à vontade, exigir de outros.

Num mundo complexo e de grande competição o nível de exigência é, na verdade, cada vez maior… São muitos os jovens que sentem bem de perto que para atingirem objetivos têm de primar pela excelência partindo de níveis de exigência muito altos e se por um lado pode parecer que é uma brutalidade, por outro os resultados serão necessariamente melhores…

Francisco Goiana da Silva é um jovem médico português natural de Santo Tirso que se formou em Lisboa com distinção e trabalha já num hospital da capital. Além de exercer medicina é um artista de grande qualidade que exprime enorme emoção e beleza através de esculturas em pedra. O Francisco pertence à Global Shapers Community um grupo que junta jovens de todo o mundo com grande potencial, que primam pela excelência e cujo objetivo é dar o seu melhor contributo na sua comunidade. Em vários países os shapers hubs são constituídos por grupos de jovens que querem fazer a diferença para melhor no seu próprio país com o seu contributo.

Aos shapers hubs está aberta a possibilidade de participarem no World Economic Forum uma instituição internacional que realiza eventos anuais envolvendo governos e empresas, públicas e privadas, num espírito de cidadania global. Este ano de 2014 para o evento de Janeiro em Davos candidataram-se para estarem presentes cerca de 500 shapers e foram selecionados 50, um dos quais o médico português de 24 anos Francisco Goiana da Silva que participou ativamente numa intervenção sobre os benefícios do SNS português, de qualidade francamente superior ao de muitos países desenvolvidos como por exemplo, espante-se, os EUA!

Faça pela diferença, o bem-estar também passa por aqui.

 

Arregaçar as mangas em tempo de mudança…

2

Category : Portugueses Excepcionais

Tempos de grande mudança indiscutivelmente, muitos passam grandes dificuldades sobretudo comparando a bonança e as facilidades dos anos 80/90, adaptar a esta realidade dura tem sido complicado… Em plena mudança de paradigma, importante mesmo é ter consciência de que as regras de mercado se alteraram drasticamente e portanto tudo tem de ser reinventado. Há que começar de novo, voltar à estaca zero, aos bons hábitos que se perderam, arregaçar as mangas, fazer o que for preciso, inventar novos conceitos. Boas ideias precisam-se mas acima de tudo ser criativo e pôr em prática novos projectos é essencial. Se não formos nós ninguem o fará por nós…

2012 vai ficar na história como um ano negro, apesar de muitas coisas boas continuarem a acontecer. É na adversidade muitas vezes que surgem as melhores ideias e como diz a sabedoria popular a necessidade aguça o engenho! A provar isso este ano, em contra corrente, o empreendedorismo português foi uma realidade e oito startups nacionais provaram-no durante a apresentação do Energia de Portugal; veja aqui, inspire-se naquilo que se faz de bom, com criatividade, a partir de boas ideias, de coisas simples.

Em 2011 assistimos no programa prós e contras na rtp1 (veja aqui) à interessante intervenção de Miguel Gonçalves, um rapaz de Braga, a chamar à atenção para que se tome consciência de que a diferença parte de cada um de nós. O Miguel tem desde então feito um trabalho extraordinário verdadeiramente inspirador.

Conheça a dinâmica que o Miguel Gonçalves tem desenvolvido, neste pequeno filme que a SIC produziu, e o importante que é cada um arregaçar as mangas e fazer acontecer, ser criativo. Vamos a isto!

O Bem Estar também passa por aqui.

Amar, Agradecer, Acreditar

2

Category : Acreditar

Vivemos hoje tempos conturbados, num permanente desafio à capacidade de resistência de cada um, num turbilhão de valores contraditórios, num rumo perdido à procura de reinventar a formula certa de viver a vida terrena…

A verdade é que os ciclos se sucedem em tempos melhores, tempos dificeis, mais problemas, menos sacrificios, momentos felizes, momentos tristes, como diz a sabedoria popular não há bem que sempre dure nem mal que nunca acabe. Depois, claro, depende de como se vivem esses ciclos e qual a melhor forma de lidar sobretudo com o tempo em que as contrariedades parecem não acabar. A “dose”, acreditem, depende muito da dimensão que cada um lhe dá.

Para todos sem excepção, em qualquer um destes ciclos de tempestade ou de bonança, invariavelmente a vida é composta de inúmeras vertentes que se traduzem em diferentíssimos estados que por sua vez cada um encarna conforme quer. Em tempo de guerra ou tempo de paz, todos temos alegrias e momentos de satisfação, todos temos tristezas e contrariedades. O segredo está em saber dosear a escala que cada um lhe dá.

Se eu quiser posso passar o dia a lamentar-me e a mal dizer, a rogar pragas a martizar-me, hei-de encontrar inúmeras razões para o fazer. Mas se eu quiser, também posso olhar o meu dia como uma bênção e a minha vida com enorme Gratidão, ainda que aparentemente não encontre razões para o fazer!

Posso fazê-lo porque quero que seja assim, porque acredito que pode ser, ou simplesmente, é assim. Inspirando-me no título livro Comer, Orar, Amar de Elizabeth Gilbert e na comédia hilariante Yes com Jim Carrey proponho que defina a sua vida no dia a dia em três vertentes: Amar, Agradecer, Acreditar.

Ame e ponha amor em todos os seus actos.

Agradeça tudo, tudo mesmo: o tecto, o prato com comida, as pernas para andar, os olhos para ver, e até as dificuldades que lhe trazem lições de vida.

Acredite que consegue, consegue ultrapassar, consegue ser melhor, consegue fazer a diferença, apenas tem de querer; acredite que a sua vida é uma bênção, que cada obstáculo é um desafio que traz escondido qualquer coisa de bom.

Parece bastante simples dizê-lo… e porque não tornar simples fazê-lo!?  Experimente todos os dias.

O bem estar é uma ESCOLHA.

90 anos: ao encontro do Bem Estar no terceiro acto da vida!

2

Category : Bem-estar

Uma vez por mês, como vem sendo hábito, partilhamos o nosso post com o Blog ConsultaClick Portugal. No site  Consultaclick pode fazer marcação de consultas online.

Muito a propósito de bem estar  e de qualidade de vida em idade avançada, vale a pena  ver e ouvir Jane Fonda na conferencia TED talk sobre a revolução da longevidade, a que chama  Life’s third act e que abordámos já num outro post (veja aqui) Damo-nos conta de que estamos a viver em media cerca de 30 anos mais do que há um século atrás; é como se se tivesse acrescentado mais um ciclo inteiro de vida de adulto na espectativa de vida.

Este terceiro acto de que J.F. fala enquadra-se já na transição de paradigma que estamos a viver porque a idade não tem de ser uma patologia, um declinio; pode ser, isso sim, um terceiro acto com enorme potencial de bem estar e felicidade

Eis aqui o testemunho de que pode ser bem diferente e melhor.

Acabo de completar 90 anos de idade; felizmente a falta de saúde nunca foi problema que ocupasse em permanência o meu espírito… É certo que com o correr dos anos foram aparecendo algumas “mazelas”, mas tanto quanto julgo saber não acarretam nem perigo de morte nem iminente perigo de vida. Reformei-me há vinte e cinco anos e enviuvei dois anos depois, em 1989. Foram dois golpes seguidos que me abalaram fortemente mas não me deitaram abaixo; ainda com “genica” reagi quanto pude e acabei por me adaptar à nova situação de «viúvo-reformado». Com 6 filhos casados, todos com descendência, o número de netos foi crescendo e atingiu este ano ainda, imagino que o limite de 22. Os bisnetos, esses em numero indefinido, por enquanto são 2. Todos, filhos e netos, têm-me dado a ajuda possível, mas como perdi a companheira permanente acabei por me habituar a viver só. Fui feliz no primeiro casamento, com mais de 70 anos não quis arriscar um novo projecto a dois… tanto mais que tinha muita coisa programada na cabeça para fazer após a reforma e um novo casamento podia acarretar impedimento para muitas ou algumas delas. Havia ainda muito que gostaria de fazer e entretanto passaram mais de 20 anos! Eis o que me tem ajudado a viver o meu “bem-estar” porque só assim faz sentido…

1 Viajar com tempo entre amigos. Tive oportunidade de realizar numerosas viagens profissionais por todo o Mundo mas estes anos tenho viajado com um grupo de amigos que todos os anos organiza uma viagem. Fomos a Israel, Jordânia, Itália (várias vezes), Irlanda, Polónia, Brasil, Argentina, Rússia, etc.

2 Actualizei os meus conhecimentos informáticos, comprei o meu primeiro computador portátil (1991) e desde então, claro, já tive vários! Informatizei a minha biblioteca particular que conta hoje mais de 7500 títulos e organizei o arquivo familiar inventariando a documentação com interesse histórico guardada em arcas antigas na casa de família de forma a que possa ser consultada. Levei anos a lê-los documento a documento, alguns de leitura difícil!

3 Resolvi escrever as minhas Memórias o que me ocupou parte da minha vida de “viúvo-reformado”. Foram anos a escrever seiscentas e tal páginas de Memórias mas foi um exercício de “recapitulação” da vida que me deu grande prazer.

4 Andar e fazer ginástica (o desporto da minha idade) e ter um regime alimentar adequado à minha idade. Tenho um divertículo que torna complicada a ingestão e digestão por isso tenho de comer especialmente devagar. Tomo um pequeno-almoço de cereais e fruta, um almoço com sopa, carne ou peixe e vegetais e ao jantar um chá e torradas ou uma sopa.

5 A leitura sempre preencheu bastante o meu tempo por isso tenho um Biblioteca grande! Interessam-me muitos temas desde a História, Economia, Politica, Religião, etc. Este ano de 2012, a falta de visão devido às cataratas tem limitado bastante o gosto que tenho na leitura e impede-me de guiar por conselho do médico. Este mês ainda farei a cirurgia que hoje em dia é relativamente simples e, acredito, permitirá recuperar essa tão importante faculdade.

6 Manter o contacto frequente com amigos tem sido muito importante. Com os colegas do meu curso de Agronomia (1945) por exemplo, continuamos a reunir todos os anos. Como muitos colegas já desapareceram e outros vão ficando pelo caminho, resolvemos passar de um para dois almoços por ano. Mantenho o contacto e combino programas com diversos amigos, aqueles que ficam para a vida, inclusivamente alguns com quem trabalhei durante anos. Mas é igualmente importante o contacto estreito com a família – 6 filhos, noras, genros, 22 netos e 2 bisnetos sem esquecer a família que resta do “meu tempo”, agora representada por alguns primos e ainda pela minha cunhada Maria Margarida, com praticamente 94 anos, que visito quase todas as tardes durante meia a uma hora e com quem converso entre outras coisas acerca do nosso tempo e da gente do nosso tempo…

Este fim de semana festejei e partilhei com alegria o meu nonagésimo aniversário em família e com grandes amigos. Foi um momento especial, a vida é uma benção, merece ser festejada. Sou crente, confio na Providencia Divina, a minha hora de partir só Deus sabe. Tranquilamente até à hora, sempre com Bem Estar!

A.C.L.

 

A Bridge to Peace: um evento em Kensington Palace em prol do bem estar

Category : Eventos

Tivemos esta semana o privilégio de estar no evento A Bridge to Peace em Kensington Palace a convite do Duque de Gloucester que ali reside, integrado nas comemorações do Jubileu de Diamante da Rainha Isabel II homenageando igualmente a Rainha Vitoria que nasceu neste palácio e cujo reinado igualou em número de anos a actual rainha.

Este evento patrocina a actividade humanitária extraordinária do Grupo St John of Jerusalem Eye Hospital que tem um papel fundamental em zonas politicamente complexas e de conflito eminente, na Palestina, em Gaza e em Jerusalém. A figura cimeira da Ordem de St John foi no seu tempo a Rainha Vitória e é actualmente o Duque de Gloucester.

Foi convidado como orador principal Prem Rawat fundador da organização humanitária Prem Rawat Foudation uma referência na difusão da paz no mundo sob o lema Peace a new solution to an old problem.

O evento contou com pouco mais de uma centena de convidados entre os quais algumas personalidades como a actirz Jane Seymour e James Keach cuja intervenção em prol duma sociedade sustentada na humanidade merece destaque; reuniram-se aqui pessoas que sejam de alguma forma proactivas neste tempo de mudança e se envolvem na dinâmica para um mundo melhor.
Cada um no singular tem verdadeiramente o enorme poder de fazer a diferença no colectivo.

O bem estar também passa por aqui.

 

 

 

 

 

 

 

Musica para os meus ouvidos…

Category : Eventos

Há pouco mais de uma ano publicamos aqui no blog o post Bem Estar? Dá-me música! que destacava precisamente a importância que a música pode ter na educação; é certo que aprender a ter sensibilidade para a música desde que se é pequeno, faz toda a diferença.

A música é uma das vertentes essenciais na vida, ouvir uma boa música é indiscutivelmente, uma forma de Bem-Estar…

No Conservatório de Música da Metropolitana formou-se um grupo jovem  constituido pelos Pequenos Violinos da Metropolitana alunos que abordam a música através do método de ensino concebido pelo japonês Shinichi Suzuki em meados do século XX. Trata-se de um modelo pedagógico que se baseia na aprendizagem do instrumento pela via da assimilação intuitiva (algo parecido com a aprendizagem da nossa língua-mãe). Um dos aspectos interessantes é a participação activa dos pais neste processo o que transforma cada apresentação num momento especial para todos.

O Rafael é apenas um dos pequenos no meio de tantos outros que tem o privilegio de estar a crescer no meio da música e por isso fazer parte deste grupo que vai actuar no dia 19 de Maio no Grande Auditório do CCB; obrigada Rita por ter dado a oportunidade ao Rafael de, desde pequeno, se envolver no mundo da música e a todos os pais que incentivam nos filhos actividades bem enriquecedoras para as suas vidas, eles serão o futuro e o futuro precisa deles!

O Bem Estar é uma escolha!

Portugal no seu melhor!

3

Category : Informação

Uma das vertentes do nosso site Olá Bem Estar e do nosso blog é precisamente dar destaque ao que de especial fazem os portugueses; desde o inicio demos destaque a Portugueses Excepcionais com o intuito de realçar iniciativas excepcionais de portugueses comuns que merecem ser divulgadas pela sua simplicidade como iniciativa e, ao mesmo tempo, pelo seu carácter único e paradignamizador.

O mais recente programa de televisão de Laurinda Alves a passar na RTP2 Feitos em Portugal merece toda a atenção pela mesma razão; num tempo difícil em que os pensamentos e actos destrutivos, depreciativos e deprimentes se divulgam com a maior facilidade e espalham numa velocidade alucinante, um programa nestes moldes é, não só uma lufada de ar fresco, como uma terapia de psicologia positiva! No primeiro programa foram entrevistados Camilo Rebelo e Helena Cardoso de Meneses testemunhos inspiradores de como ser proactivo em Portugal; no segundo episódio os testemunhos de João Catarino (ilustrador, Urban Sketcher e professor de Desenho) e de Ana Mangericão (professora de dança e fundadora da EDAM) são contagiantes e motivadores.

Nada como testemunhos inspiradores para accionar a psicologia positiva; a mente humana reage de forma construtiva a pensamentos positivos, a estórias de sucesso; em Portugal há pessoas proactivas e no nosso país acontecem muitas coisas boas e essas é que nos inspiram.

Obrigada Laurinda por ser tambem uma inspiração,

Todos nós temos o poder de mudar as coisas, o poder de fazer melhor; o Bem Estar tambem passa por aqui.

 

Um Pai vale por 100 professores!

3

Category : Gratidão

O dia do Pai, ao contrário de muitos dos dias que se instituiu atribuir ao longo dos últimos anos às mais variadas causas, é um clássico! Sempre me lembro do dia do Pai e, claro, do dia da Mãe serem momentos especiais em que tinhamos um presente, um trabalho feito na escola com imenso orgulho, um carinho, uma atenção para dar. Emocionante também quando mais tarde esse dia chegou para nós, pais e mães, de sermos acarinhados pelos nosso filhos. Especial, mesmo muito especial.

Lembro-me perfeitamente de já estar na Universidade a estudar, isto no início dos anos 80, e passar numa loja daquelas tipicas de presentes do género a moldura, o frasquinho, o quadrinho, a caixinha etc, e ver na montra um pequeno poster em tecido com um suporte ligeiro em madeira no topo e uma corda para poder ser pendurado da forma mais básica, num prego espetado na parede, com a frase lapidar Um Pai vale por 100 professores. Nem hesitei, era dia do pai e aquele era o presente perfeito!

Na verdade o meu Pai, uma referência para todos, mesmo quando uma vez por outra um par de estalos, os olhos bem abertos ou o tom de voz uns decibeis acima, serviam na perfeição como o sinal claro de ter chegado o limite, é uma pessoa de invulgar sabedoria, com Mundo e uma grande cultura. Engenheiro Agrónomo de formação, foi investigador no Centro de Estudos de Economia Agrária da Fundação Gulbenkian, professor Universitário,  fez parte da comissão de adesão de Portugal à CEE, enfim com uma vida profissional rica, intensa e variada, sempre acompanhou de perto os estudos de todos nós, os seis filhos, nem que fosse com umas ajudas na Matemática. Particularmente naquela altura em que eu, a mais nova dos seis estava a tirar o curso de História, aconselhava-me as leituras a fazer, muitas vezes de livros que tinha em casa, já então com uma biblioteca considerável em temas da História. Naquela época era corrente fazerem-se kilos de fotocópias de livros cuja leitura era essencial em determinadas cadeiras e não passava pela cabeça do mais comum estudante ir comprá-los; ou se ia à Biblioteca Nacional ou tiravam-se fotocopias, ponto! Mas lá em casa havia obras do Fernand Braudel, Arnold Toynbee etc, aquilo era extraordinário e até inesperado! Do género eu falava à mesa de um assunto abordado nas aulas e dos autores de referência e o meu pai dizia muito simplesmente “tens esse livro para ler ali numa das estantes e vale muito a pena”…

Mais tarde, quando fiz o Mestrado na Clássica voltou a acompanhar de perto todo o meu trabalho como co-orientador não oficial e, claro, para lá de ter feito sempre juz a essa frase lapidar escrita num pedaço de tecido que ainda guarda, estou-lhe eternamente grata por tantas coisas mais. No seu Amor em unidade com a Mãe, recebi o essencial da pessoa que sou.

Obrigada pela referência que, já perto dos 90 anos continua a ser, e de sempre ser um apologista do Bem Estar em todas as suas vertentes!

 

 

 

O poder da mente…

1

Category : Bem-estar

O poder da mente é bem maior do que se pode imaginar! No entanto, o comum dos mortais empreende com mais facilidade no que é negativo e destrutivo do que o contrário e… o resultado é evidente!

Quem persiste em achar, ou melhor, acreditar que a vida é complicada, cheia de problemas, um sem fim de obstáculos, tem a vida tal e qual a está a desenhar. Pelo contrário, trabalhando os pensamentos positivos diariamente, o efeito é exactamente o mesmo porque…resulta! O resultado, claro, é bem melhor!

O bem estar é uma escolha!

Veja neste filme como se faz. Vale a pena.