Human, o filme: um retrato expressivo e abrangente de pessoas de coração aberto…

1

Category : Eventos

humanthemovie-maishaflix-medium_0

Há precisamente dois anos esteve em Lisboa a espectacular exposição de Yann Arthus-Bertrand no Museu da Electricidade designada 7 Mil Milhões de Outros e sobre ela muito se falou e escreveu pela sua singularidade, pelo seu impacto, pelo realismo da profundidade do ser humano retratado na sua verdade. A partir deste trabalho o fotógrafo francês realizou um grande documentário que na origem tinha mais de 7 horas de duração e, para que podesse ser visto pelo público também em salas de cinema/espectáculos, acabou por ser reduzido a cerca de duas horas e vinte minutos numa short version. Cerca de duas mil pessoas em todo o mundo de diferentes paises e culturas foram entrevistadas sobre diversas vertentes da vida desde o amor ao sofrimento, das alegrias às contrariedades, da felicidade à violencia, num retrato individual de coração aberto, olhos nos olhos, que não deixa ninguém indiferente.

Ontem no Centro Cultural de Belém foi apresentada esta versão seguida de uma sessão de questões e debate com o próprio Yann Arthus-Bertrand acompanhado por Jorge Braga de Macedo e Pedro Rebelo de Sousa. A produção deste documentário contou com o financiamento das Bettencourt Schueller Foundation e GoodPlanet Foundation o que permite que possa ser vista de forma gratuita no YouTube.

A exibição do filme Human, ontem no CCB, contou com o apoio da Claude & Sofia Marion Foudantion, Air France, Insitut Français, NOS Entre Iguais, CCB,  bem como do Projecto Memória parceiro da GoodPlanet Foundation; foi um sucesso numa experiência incrível desde logo pelo impacto da projecção num grande ecrã com imagens impressionantes que levaram a plateia ora às lágrimas, ora a momentos divertidos, ora ao absoluto espanto da natureza no seu explendor.

Não perca, o bem estar também passa por aqui

 

A humanidade, o sentido da vida e o bem estar

6

Category : Gratidão

meaningO ser humano na sua essência é sempre o mesmo, agora e desde há muito tempo, apesar da evolução natural dos tempos, apesar das culturas dos povos poderem ser muitissimo diferentes; no essencial, na estrutura mental, no comportamento, somos todos idênticos seja quem for e onde for.

E isso é possivel observar nos dias de hoje, que qualquer um por exemplo nos confins de Africa, Asia ou América do Sul, tem ansiedades, manifesta sentimentos e emoções, exprime dor e sofrimento, alegria e júbilo da mesma forma que outro qualquer na Europa ou na América do Norte.

A mega experiência a nível global feita ao longo de 3 anos por Yann Arthus-Bertrand e reunida no filme Human mostra a humanidade na diversidade, atraves de perguntas respondidas nas palavras genuinas de cada um. Vale a pena mergulhar nesta incrível viagem que nos leva ao mais profundo na manifestação do amor, do sentido da vida, do perdão, da dor, da alegria, do humor, a quase tudo o que um ser humano é capaz de chegar.

Screen Shot 2016-05-11 at 17.14.49Mas o sentido da vida é sobretudo dar à vida um sentido.

O bem estar também passa por aqui.