Celebremos a Santa Páscoa de coração aberto e com bem estar

Category : Espiritualidade

207421_1982439881827_6586764_n

A Semana Santa é para os cristãos a Semana maior. E diz-se assim não porque seja cronologicamente maior do que as outras, como se tivesse mais dias, mas porque nela os cristãos celebram com intensidade o mistério mais profundo e mais importante a partir do qual toda a realidade adquire sentido. Mais ainda: cada dia da semana santa, e muito especialmente o tríduo pascal (paixão, morte e ressurreição), tem uma tal densidade que concentra em si todo o sentido da história…

Hoje, Quinta-feira santa, celebra-se a última Ceia e a agonia de Jesus no jardim da Oliveiras; amanhã, a Sexta-feira santa é o dia de luto que representa a entrega de Jesus por nós, morrendo na cruz. Sábado Santo é o dia do silêncio de Deus no sepulcro e nesse mesmo dia à noite e Domingo de Páscoa é a celebração da vida eterna.

A Páscoa, do hebraico Pessach que significa passagem, é na verdade a festa cristã mais importante do calendário litúrgico em que se celebra a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte na cruz (ver Sexta Feira Santa)

É uma festa móvel no sentido em que nunca se celebra na mesma data uma vez que se define Sexta Feira Santa, o dia da morte de Jesus na cruz, na primeira Sexta após a primeira lua cheia que ocorre depois do equinócio da Primavera  no hemisfério norte e equinócio de Outono no hemisfério sul; nesse Domingo festeja-se a Ressurreição. A Santa Páscoa poderá assim ocorrer entre 22 de Março e 25 de Abril.

Na verdade, Jesus celebrava a Páscoa hebraica com os apóstolos na ultima ceia, a festa da libertação que comemorava a fuga dos judeus da escravidão no Egipto por volta de 1280 a.C. O momento foi de partilha e humildade com os seus amigos apóstolos, a quem lavou os pés num gesto simbólico, revelador e indicador dos cuidados que podemos naturalmente ter com os outros; foi um gesto de bondade, ternura, humildade e generosidade que marcou para sempre os que O seguem e acreditam que a bondade expressa se reflecte em cada um e nos outros.

Celebremos pois de coração aberto e com bem estar mais uma Santa Páscoa

O tempo da Quaresma: reconciliação e bem estar

Category : Espiritualidade

desertoHoje quarta-feira de cinzas começa a Quaresma, para os Católicos o tempo de preparação para a Páscoa, habitualmente um período reservado para a reflexão e conversão espiritual.

Os 40 dias que nos separam da maior festa dos cristãos, a Páscoa, lembram os 40 anos de deserto do povo de Israel em busca da libertação e os 40 dias de jejum de Jesus a inspiração para este tempo especial de reflexão e penitência que culmina na Sexta-feira santa, e Domingo de Ressurreiçao .

É um tempo especial de maior aproximação a Deus, de mais profundidade espiritual em que os fiéis são convidados a fazerem uma comparação entre as suas vidas e a mensagem cristã expressa nos Evangelhos. Esta comparação significa um recomeço, o renascimento espiritual, a reconciliação; o cristão recebe simbólicamente as cinzas na eucaristia de hoje, intensifica a prática dos princípios essenciais da sua fé com o objetivo de ser uma pessoa melhor, proporcionar o bem aos outros, recolher em oração e penitência, preparar o espírito para acolher Cristo Vivo, Ressuscitado no Domingo de Páscoa e com Ele renascer.

Todas as religiões têm períodos voltados para a reflexão; nos hábitos da disciplina religiosa cada doutrina religiosa tem o seu calendário específico para seguir. A cor litúrgica deste tempo é o roxo, que significa penitência;  o roxo no tempo da quaresma não significa luto e sim simboliza que a igreja se prepara espiritualmente para a grande festa da Páscoa, a ressurreição de Jesus Cristo.

Cerca de duzentos anos após o nascimento de Cristo, os cristãos começaram a preparar a festa da Páscoa com três dias de oração, meditação e jejum. Por volta do ano 350 d. C., a Igreja aumentou o tempo de preparação para quarenta dias, a Quaresma tal como hoje a vivemos.

É um tempo especial e o Bem-Estar também passa por aqui…

Celebremos a Santa Páscoa, a festa da vida!

2

Category : Espiritualidade

9602_10200801471860292_2015394833_n

E eis que celebramos mais uma vez a Páscoa também designada pelo termo hebraico Pessach do Antigo Testamento,  a Passagem festejada  pelos judeus, em que recordam a libertação do povo de Israel do Egito, conforme narrado no livro do Êxodo. Para os cristãos esta é a festa mais importante do calendário litúrgico em que se celebra a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte na Cruz (ver Sexta Feira Santa)

É uma festa móvel no sentido em que nunca se celebra na mesma data porque se define a Sexta Feira Santa, o dia da morte de Jesus na Cruz, na primeira Sexta após a primeira lua cheia que ocorre depois do equinócio da Primavera  no hemisfério norte e Equinócio de Outono no hemisfério sul; no Domingo seguinte é sempre  festa da Ressurreição. A Santa Páscoa poderá assim ocorrer entre 22 de Março e 25 de Abril.

Na verdade, Jesus celebrava a Páscoa hebraica com os apóstolos na última ceia, a Festa da Libertação que comemorava a fuga dos hebreus da escravidão no Egipto por volta de 1280 a.C. O momento foi de partilha e humildade com os seus amigos apóstolos, a quem lavou os pés num gesto simbólico, revelador e indicador dos cuidados que podemos naturalmente ter com os outros; foi um gesto de bondade, ternura, humildade e generosidade que marcou para sempre os que O seguem e acreditam que a bondade expressa se reflecte em cada um, a partir de cada um e projecta-se nos outros.

Para os Cristãos a Páscoa ganhou um novo sentido que transparece no Novo Testamento;  descrita pelos quatro evangelistas  é na verdade a festa mais importante da Igreja. Após a preparação na Quaresma e chegada a Semana Santa, aproximam-se os dias mais importantes para a fé cristã que relembram a ultima ceia, a prisão, a tortura, morte e finalmente a Ressurreição de Jesus.

A Páscoa é a festa da Ressurreição em que Jesus vence a morte para mostrar o valor da vida; esse dia é depois estendido por mais 50 dias até o Domingo de Pentecostes (comemora a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus Cristo)

O lado doce da Páscoa é simpático e completa o espírito, mas vai muito além dos coelhinhos e ovos de chocolate; veja este pequeno filme aqui para relembrar o que é realmente a Páscoa e porque criamos o hábito de desejar aos outros  uma Feliz Páscoa.

O Bem Estar também passa por aqui

Quaresma: tempo de oração e bem estar

Category : Espiritualidade

deserto1

Hoje quarta-feira de cinzas começa a Quaresma, um tempo de preparação especial, habitualmente um período reservado para a reflexão e conversão espiritual.

Os 40 dias que nos separam da maior festa dos cristãos, a Páscoa, lembram os 40 anos de deserto do povo de Israel em busca da libertação e os 40 dias de jejum de Jesus a inspiração para este tempo especial de reflexão e penitência que culmina na Sexta-feira santa, e Domingo de Ressurreiçao .

Este tempo convida-nos a uma aproximação a Deus, ao crescimento espiritual; os fiéis procuram a comparação entre as suas vidas e a mensagem cristã expressa nos Evangelhos. Esta comparação significa um recomeço, um renascimento para as questões espirituais e de crescimento pessoal; o cristão intensifica a prática dos princípios essenciais da sua fé com o objetivo de ser uma pessoa melhor, proporcionar o bem aos outros, recolher em oração e penitência, preparar o espírito para acolher Cristo Vivo, Ressuscitado no Domingo de Páscoa e com Ele renascer.

Todas as religiões têm períodos voltados para a reflexão, cada doutrina religiosa tem o seu calendário específico para seguir. A cor litúrgica deste tempo é o roxo, que significa penitência;  o roxo no tempo da quaresma não significa luto e sim simboliza que a igreja se prepara espiritualmente para a grande festa da Páscoa, a ressurreição de Jesus Cristo.

Cerca de duzentos anos após o nascimento de Cristo, os cristãos começaram a preparar a festa da Páscoa com três dias de oração, meditação e jejum. Por volta do ano 350 d. C., a Igreja aumentou o tempo de preparação para quarenta dias, a Quaresma tal como hoje a vivemos.

Para quem tem fé é um tempo especial em que a oração a Deus, ao Criador que nos ama infinitamente a cada um de nós, tem um enorme poder e um lugar de destaque.  A oração pessoal podemos adaptá-la às circunstâncias da vida de todos os dias e à exigência de mobilidade que a caracteriza. A caminho do trabalho ou da faculdade, nos transportes públicos ou no trânsito, rezar não é uma utopia nem um desejo irrealizável!

Aproveite para consultar o site Passo a Rezar e pode sempre levar a oração consigo!

O Papa Francisco diz-nos que a Quaresma é um tempo propício para nos deixarmos servir por Cristo e, deste modo, tornarmo-nos como Ele!

O bem estar também passa por aqui.

A 13 de Maio na Cova da Iria: amor, devoção e oração a Maria

Category : Espiritualidade

7495353_IalopPara quem tem fé o mês de Maio é especial, é o mês de Maria mãe de Jesus; em Portugal e no mundo este mês é de grande devoção mariana. Há precisamente 97 anos, numa época bastante contorbada e de grande instabilidade política e económica no nosso país, apareceu Nossa Senhora a três jovens pastorinhos na Cova da Iria em Fátima. Vale a pena conhecer a história das aparições que ao longo desse ano de 1917 foram acontecendo e criaram polémica porque o tempo era de grande adversidade e dúvida. Demorou alguns anos até que a própria Igreja reconhecesse oficialmente as aparições de Fátima mas desde essa data, a Cova da Iria não deixou mais de ser local de peregrinação.

Já nos anos sessenta o Papa Paulo VI foi peregrino em Fátima e mais tarde o Papa Santo, João Paulo II, grande devoto de Nossa Senhora, veio a Fátima pela primeira vez agradecer o milagre de o ter protegido do atentado que sofrera na Praça de S.Pedro precisamente um ano antes, no dia 13 de Maio de 1981. A bala que o atingiu, ofereceu-a mais tarde para que fosse colocada na coroa da imagem de Nossa Senhora de Fátima como sinal da sua gratidão e devoção; o ourives a quem coube essa importante tarefa, a principio sem saber muito bem como seria possivel fazê-lo, facilmente encontrou no interior da coroa o espaço onde seria engastada, um pequeno orificio na estrutura que tinha a exacta medida da bala…

A jornalista Aura Miguel escreveu em 2002, ainda durante o Pontificado de S. João Paulo II, muito a propósito da devoção do Papa, o pequeno livro que vale bem a leitura, actualmente reeditado com o título O segredo que conduziu o Papa

Este santuário mariano é dos mais importantes no mundo e local de grande devoção, especialmente nos dias 12 (procissão das velas) e 13 de Maio. Todos os anos milhares de peregrinos acolhem a Fátima vindos não só de todo o país mas também de todo o mundo, movidos pela sua enorme fé.

Avé Maria!

O bem estar também passa por aqui.

A semana maior até à Páscoa com fé, amor e bem estar.

Category : Espiritualidade

passion_supper

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Semana Santa é para os cristãos a Semana maior. E diz-se assim não porque seja cronologicamente maior do que as outras, como se tivesse mais dias, mas porque nela os cristãos celebram com intensidade o mistério mais profundo e mais importante a partir do qual toda a realidade adquire sentido. Mais ainda: cada dia da semana santa, e muito especialmente o tríduo pascal (paixão, morte e ressurreição), tem uma tal densidade que concentra em si todo o sentido da história…

Na Quinta-feira santa celebra-se a última Ceia e a agonia de Jesus no jardim da Oliveiras; Sexta-feira santa o dia de luto em que Jesus se entregou por nós, morrendo na cruz. Sábado Santo é o dia do silêncio de Deus no sepulcro e Domingo de Páscoa a celebração da vida eterna.

A Páscoa, do hebraico Pessach que significa passagem, é na verdade a festa cristã mais importante do calendário litúrgico em que se celebra a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte na cruz (ver Sexta Feira Santa)

É uma festa móvel no sentido em que nunca se celebra na mesma data uma vez que se define Sexta Feira Santa, o dia da morte de Jesus na cruz, na primeira Sexta após a primeira lua cheia que ocorre depois do equinócio da Primavera  no hemisfério norte e equinócio de Outono no hemisfério sul; nesse Domingo festeja-se a Ressurreição. A Santa Páscoa poderá assim ocorrer entre 22 de Março e 25 de Abril.

Na verdade, Jesus celebrava a Páscoa hebraica com os apóstolos na ultima ceia, a festa da libertação que comemorava a fuga dos judeus da escravidão no Egipto por volta de 1280 a.C. O momento foi de partilha e humildade com os seus amigos apóstolos, a quem lavou os pés num gesto simbólico, revelador e indicador dos cuidados que podemos naturalmente ter com os outros; foi um gesto de bondade, ternura, humildade e generosidade que marcou para sempre os que O seguem e acreditam que a bondade expressa se reflecte em cada um e nos outros.

Celebremos pois de coração aberto e com bem estar mais uma Santa Páscoa.

Quaresma, oração e bem estar…

Category : Espiritualidade

tenho-coragem-de-orar-assim

Hoje quarta-feira de cinzas começa a Quaresma, um tempo de preparação especial, habitualmente um período reservado para a reflexão e conversão espiritual.

Os 40 dias que nos separam da maior festa dos cristãos, a Páscoa, lembram os 40 anos de deserto do povo de Israel em busca da libertação e os 40 dias de jejum de Jesus a inspiração para este tempo especial de reflexão e penitência que culmina na Sexta-feira santa, e Domingo de Ressurreiçao .

Este tempo convida-nos a uma aproximação a Deus, ao crescimento espiritual; os fiéis procuram a comparação entre as suas vidas e a mensagem cristã expressa nos Evangelhos. Esta comparação significa um recomeço, um renascimento para as questões espirituais e de crescimento pessoal; o cristão intensifica a prática dos princípios essenciais da sua fé com o objetivo de ser uma pessoa melhor, proporcionar o bem aos outros, recolher em oração e penitência, preparar o espírito para acolher Cristo Vivo, Ressuscitado no Domingo de Páscoa e com Ele renascer.

Todas as religiões têm períodos voltados para a reflexão, cada doutrina religiosa tem o seu calendário específico para seguir. A cor litúrgica deste tempo é o roxo, que significa penitência;  o roxo no tempo da quaresma não significa luto e sim simboliza que a igreja se prepara espiritualmente para a grande festa da Páscoa, a ressurreição de Jesus Cristo.

Cerca de duzentos anos após o nascimento de Cristo, os cristãos começaram a preparar a festa da Páscoa com três dias de oração, meditação e jejum. Por volta do ano 350 d. C., a Igreja aumentou o tempo de preparação para quarenta dias, a Quaresma tal como hoje a vivemos.

Para quem tem fé é um tempo especial em que a oração a Deus, ao Criador que nos ama infinitamente a cada um de nós, tem um enorme poder e um lugar de destaque.  A oração pessoal podemos adaptá-la às circunstâncias da vida de todos os dias e à exigência de mobilidade que a caracteriza. A caminho do trabalho ou da faculdade, nos transportes públicos ou no trânsito, rezar não é uma utopia nem um desejo irrealizável!

Dizia Santo Inacio de Loyola, trabalha como se tudo dependesse de ti, reza e confia como se tudo dependesse de Deus.

Deixamos aqui a sugestão de consultar o site Passo a Rezar : pode sempre levar a oração consigo!

O bem estar também passa por aqui.

 

 

 

Celebremos mais uma Santa Páscoa!

2

Category : Espiritualidade

9602_10200801471860292_2015394833_n

 

 

 

 

A Páscoa, do hebraico Pessach significando passagem, é a festa cristã mais importante do calendário litúrgico em que se celebra a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte na Cruz (ver Sexta Feira Santa)

É uma festa móvel no sentido em que nunca se celebra na mesma data uma vez que se define Sexta Feira Santa, o dia da morte de Jesus na Cruz, na primeira Sexta após a primeira lua cheia que ocorre depois do equinócio da Primavera  no hemisfério norte e Equinócio de Outono no hemisfério sul; no Domingo seguinte celebra-se a festa da Ressurreição. A Santa Páscoa poderá assim ocorrer entre 22 de Março e 25 de Abril.

Na verdade, Jesus celebrava a Páscoa hebraica com os apóstolos, na ultima ceia aqui retratada por Da Vinci, a Festa da Libertação que comemorava a fuga dos hebreus da escravidão no Egipto por volta de 1280 a.C. O momento foi de partilha e humildade com os seus amigos apóstolos, a quem lavou os pés num gesto simbólico, revelador e indicador dos cuidados que podemos naturalmente ter com os outros; foi um gesto de bondade, ternura, humildade e generosidade que marcou para sempre os que O seguem e acreditam que a bondade expressa se reflecte em cada um e nos outros.

Celebremos pois de coração aberto mais uma Santa Páscoa.

ultima-ceia-leonardo-da-vinci-size-598

O bem-estar também passa por aqui!

Bem Estar no Advento: preparamos com Amor o Natal

Category : Espiritualidade

Sempre com o espírito do Bem Estar presente relembramos o Advento que agora começa e durante o qual preparamos a festa do Natal, muito para lá do que é material, mas essencialmente no que representa como festa especial do Amor, da Família, da Fraternidade. Este Domingo é o primeiro dos quatro Domingos do  Advento, as quatro semanas que antecedem o Natal no Ano Litúrgico. A liturgia do Advento caracteriza-se pela preparação, como a própria palavra indica no seu significado latino adventus que quer dizer chegada. Advento é portanto o tempo de espera  mas também de preparação para o nascimento de Jesus em que os cristãos celebram o Amor, a Família, a Fraternidade.

O tempo do Advento formou-se progressivamente a partir do século IV e já era celebrado na Gália e na Hispânia. Em Roma, onde surgiu a festa do Natal, passou a ser celebrado somente a partir do século VI quando a Igreja  Romana vislumbrou na festa do Natal o início do mistério pascal e era natural que se preparasse também com solenidade, como se preparava a Páscoa embora a Páscoa tenha sido sempre a celebração mais importante. Nessa altura o  tempo do Advento consistia em seis semanas que antecediam a grande festa do Natal. Foi somente com São Gregório Magno (590-604) que esse tempo foi reduzido  para quatro domingos, tal como hoje celebramos.

Um dos muitos símbolos do Natal é a coroa do Advento que, pela sua forma circular, simboliza a esperança e convida à alegria. Ao que se sabe, a coroa teve a sua origem no século XIX no norte da Alemanha e os católicos adotaram mais tarde este costume da coroa do  Advento, já no início do século XX. Na confecção da coroa são usados ramos de  pinheiro e cipreste, as únicas árvores cujos ramos não perdem as folhas no outono  e estão sempre verdes, mesmo no inverno. Os ramos verdes simbolizam a vida que permanece, sinal evidente de Fé e Esperança. Formando um circulo, a coroa traduz o simbolismo da figura sem começo nem fim,  representando a perfeição, a harmonia, a eternidade.

Na coroa também são  colocadas quatro velas referentes a cada domingo que antecede o Natal. A luz vai  assim aumentando à medida que se aproxima o Natal, festa da Luz que é o nascimento de Cristo. A cor das quatro  velas, em quase todas as partes do mundo, é geralmente a cor vermelha se bem que, por vezes, quando se usam velas roxas uma delas é cor de rosa pois no Terceiro Domingo do Advento (Gaudete), assim como no quarto Domingo da Quaresma  (Laetare) celebra-se a Alegria cuja cor litúrgica é o cor de rosa.

Preparemos então a celebração de mais um Natal com Amor e Bem Estar.

 

Momentos especiais de oração

Category : Espiritualidade

Para quem tem fé o mês de Maio é especial; há precisamente 85 anos, numa época bastante contorbada e de grande instabilidade no nosso país, apareceu Nossa Senhora a três jovens pastorinhos na Cova da Iria em Fátima. Vale a pena conhecer a história das aparições (aqui) que ao longo desse ano de 1917 foram acontecendo e criaram polémica porque o tempo era de grande adversidade e dúvida. Demorou alguns anos até que a própria Igreja reconhecesse oficialmente as aparições de Fátima mas desde essa data, a Cova da Iria não deixou mais de ser local de peregrinação.

Já nos anos sessenta o Papa Paulo VI foi peregrino em Fátima e mais tarde o Papa João Paulo II grande devoto de Nossa Senhora veio a Fátima pela primeira vez agradecer o milagre de o ter protegido do atentado que sofrera na Praça de S.Pedro precisamente um ano antes, no dia 13 de Maio de 1981. A bala que o atingiu, ofereceu-a para que fosse colocada na coroa da imagem de Nossa Senhora de Fátima como sinal da sua gratidão e devoção; o ourives a quem coube essa importante tarefa, a principio sem saber muito bem como seria possivel faze-lo, facilmente encontrou no interior da coroa o espaço onde seria engastada, um pequeno orificio na estrutura que tinha a exacta medida da bala…

A jornalista Aura Miguel escreveu, ainda durante o Pontificado de João Paulo II, muito a propósito da devoção do Papa, o pequeno livro que merece leitura atenta O Segredo que Conduz o Papa – A Experiência de Fátima no Pontificado de João Paulo II (2002) actualmente reeditado com o título O segredo que conduziu o Papa.

Este fim de semana milhares de pregrinos estiveram mais uma vez em Fátima porque há uma força divina que ali nos conduz e nos proporciona momentos especiais de oração.

O Bem Estar também passa por aqui.