A vida perpetuada na memória…

2

Categoria : Informação

12715539_1115131451838681_5998832450289842863_nPara quem tem realmente fé, morrer não é perder a vida, é trocá-la por uma outra, eterna e numa outra dimensão; esta é para alguns, certamente não é para todos, uma possivel forma de encarar a partida deste mundo, o fim da vida terrena.

É sempre um momento delicado, o sentimento de perda que se tem quando nos confrontamos com a morte física de alguém; regra geral lidar com a partida dos que nos são queridos e chegados, família ou amigos, conhecidos ou até pessoas que não conhecemos pessoalmente mas ouvimos falar, como não ficar triste, sentir a dor?! Complicado sem dúvida quando não se sabe bem lidar com a tristeza profunda; por vezes é mesmo o passar do tempo que ajuda a sarar a dor, porque a saudade fica sempre e a memória mantem-se no coração, em fotografias, em estórias que ficaram para contar. Se pensarmos, é curioso como esta é a forma da pessoa que partiu permanecer viva entre nós, de cada vez que é lembrada, de cada vez que se contam estórias, de cada vez que se partilham fotografias e momentos vividos. Assim se perpetua a sua vida no tempo terreno, assim se passa de geração em geração a memória de antepassados, de amigos, de figuras conhecidas, de ídolos.

Quem não gosta de relembrar momentos, estórias divertidas, viagens, tanta coisa que fica para poder partilhar com outros e que, na maioria das vezes, com o tempo vão caindo no esquecimento…

Online já podemos encontrar um site de memoriais, o RIPACE onde é possivel o usuário registar uma pequena biografia de alguém que já partiu, para já apenas memoriais públicos de acesso a todos, de pessoas mais ou menos conhecidas; em breve terá novas funcionalidades como o poder criar memoriais privados que queira para partilhar só em familia, ou com amigos, ou com colegas de trabalho, de escola etc. Ao criar um memorial de uma avó, de um irmão, de um colega etc., poderá partilhar com um grupo restrito de pessoas mais próximas, perpetuando a sua vida em fotografias, inumeras estórias contadas por aqueles com quem conviveu, coisas que com o tempo têm tendência a dispersar ou a perder.

Faz sentido manter viva a memória de quem já partiu seja como homenagem, seja para perpetuar a sua vida. Passe pela pagina no facebook ou faça uma visita ao passado que se prolonga no presente e no futuro em ripace.com

O bem estar também passa por aqui

 

 

 

 

Comentários (2)

Muito boa essa matéria, é uma boa reflexão para nossos pensamentos e atitudes.

Caro Emerson
Muito obrigada pelo seu comentário, ainda bem que gostou! O comentário dos nossos leitores é sempre importante para nós.
Abraço
Ana